Header

Header

12.18.2013

Ampulheta


                           Seguro  entre  os  dedos esta abstrata  ampulheta  com  que penso                 
                                  contar    o    tempo  e,   areia  por   areia,   a   vida se esfarela ...                              
                                        Nada  pesa  tanto  quanto   os  anos,   ou,   por  assim                                 
                                             dizer, a consciência de que não   são  eles, mas                                 
                                                  nós,  quem   estamos   passando... Olho  
                                                      para o instante que não  cessa, nem
                                                             se interrompe e concebo-me
                                                                             num verso                                                                 
                                                                              efêmero
                                                                              perecível, 
                                                                            descontínuo.                                                                        
                                                                 Fragmentos que assumem
                                                           a forma de  um sonho desperto.                                             
                                                 Quanto mais me  oculto atrás destes reflexos,                                 
                                       ainda mais nítidos eles ficam. Eu creio ver outros. É o que os
                            espelhos me mostram. E,  de súbito,  descortino-os. O não  ser do ser.
                                       Quando    foi   que    me tornei    invisível?   Estou nestas    palavras    que
                               escrevo agora. E estarei também amanhã, quando eu for apenas uma memória.
            
       
 
 
 
Lídia Martins

6 comentários:

Carlos Roberto disse...

Poderia dizer que só o que é invisível existe. Todavia, também há quem diga que o invisível existe sim! Mas pouco. Pergunto! Como pode ser pouco o vento que move as barcas, ou o tempo que esculpe montanhas? Como pode ser pouco o amor que nos desarma, ou a fome que nos consome as entranhas? Como pode? Como pode ser pouca a força de quem se olha com a alma em chamas?
Bonito texto, Lídia.  Continuação de uma boa tarde.

Roberta disse...

Queria comentar, mas não consigo!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Pego na ampulheta
na parte estreita
entre o efêmero e o perecível
Inverto, e espero que o amanhã desça
até ser
a memória de hoje

placco araujo disse...

Eu cheguei a visualizar uma tela formada pelo rolar da areia entre os vãos dos dedos, e por ela passando a vida, que ao mesmo tempo que a estamos vivendo, no segunda seguinte já é passado, já é um filme esmaecido pelo próprio amarelado da areia.
E é, neste esmaecimento, que vamos ficando invisíveis, embora estejamos o tempo todo ali, porém alternando entre o expectador e o personagem da história.

Be Lins disse...

Pipa Menina,

que saudades de você!
Será que lembras ainda desta tua amiga antiquada que se rescusa a aderir aos mecanismos que facilitam a comunicação, mas que ainda sim, faz do coração uma espécie de rede?

Pipa,
você é grande fonte de inspiração.
Desejo que 2014 te abrace tão forte e gostoso que pareça-se com um ninho para uma loucura de coisas boas na sua vida.

Um bijo,
dois abraços,
e muitos afagos no seu coração.

Be Lins disse...

Não haverá um só dia que eu não regue esta planta linda
"não-te-esqueças-de-mim,
e tratarei de fazer dela muitas mudas, preciso sair por aí, a distribui-las porque, também pasma ando com as pessoas, linda Pipa, quando foi que elas se esqueceram?, seria tão mais fácil começar do começo, mas perdemos a hora, não foi?

Teu comentário abre portas para tantas reflexões, como vicejam de você, cara amiga, flores, mesmo que silenciosas, porque assim são as flores, não?... perfumam antes de mais de nada,

perfumadas sejam tuas estradas, e que eu possa saber de ti em breve, portadora de boas novas.

Podemos esperar, sonhar, podemos, não podemos?

Obrigada por me escrever,
seu gesto devolve-me significados.

Be