2.08.2012

— Pode bebê-lo. Não tem veneno.





          Segurando nas mãos duas velas que bruxuleavam exaustas, Pierrot os surpreendeu

deslizando-se rapidamente para os fundos da mansarda, supondo por

extrapolação da ingenuidade, não fosse possível que das mãos

                    do destino pudessem ser desferidos golpes ainda piores.

Aconteceu no exato instante em que a boca

 antecedeu ao beijo. Em meio às folhagens

ondulantes dos arvoredos, Colombina

permaneceu imóvel enquanto os

lábios de Arlequim a

contornavam

em silêncio.

Seus olhos
tinham um brilho
de Soleil, mas sem ser
Cirque.Arlequim,um desejo.
Colombina, o impossível.
E Pierrot, que embora
sangrasse, naquele
momento,sequer
havia
e
==
x
==
i
==
s 
==
t
==
i
==
d
==
o
==
                PARA SEMPRE, PIERROT.




                                                                                                                                                                           
                                                                                                                       E
                                                                                                                        quanto
                                                                                                                        ao plano dos
                                                                                                                        confetes... Está
                                                                                                                      chegando o ...♀  ♂ 
                                                                                                                        Cheers!!! Vamos sorrir
                                                                                                                                            à saúde  dos "Carnis - Valles."
                                                                                                                                            *                                        *
                                                                                                                                            *                                *
                                                                                                                                              *       *
                






Lídia Martins


20 comentários:

Rafaelle Melo. disse...

Supresa digna de Soleil! Pierro, Colombina, Arlequim e uma taça transbordante de palavras inteiras.

Em ti, Pipa, nada é meio. És tão inteira que as vezes não te cabes e também transbordas.

Mas voltando ao texto, ou melhor a taça, tuas linhas me embriagaram. Fiquei cá pensando que certas coisas (destas que circulam sangue) se quer existiram, pois existindo só foram capazes de levar, em sua sede, o que eu não tinha. Confesso-te o que encontro por agora: meu ser inteiro. Brindemos!


Um beijo embriagado, hermana.

Patrícia disse...

Que criativo!

Nei Duclós disse...

Pobre Pierrot! Só a poeta o ampara com sua taça de palavras.

Alvaro Vianna disse...

Que bom que não vendem veneno em cada esquina. Pelo menos não os de morte rápida. Pierrots seriam consumidores ávidos. Mas certamente não dariam muito lucro.
A verdade é que o tempo passa. Em passando, mata aquelas dores tremendas. Ou talvez as prenda em alguma prisão de segurança máxima. Só que há efeitos colaterais. A vida fica estranha. Como disse o Casmurro:

"... vida diferente não quer dizer vida pior, é outra coisa. A certos respeitos, aquela vida antiga aparece-me despida de muitos encantos que lhe achei; mas é também exato que perdeu muito espinho que a fez molesta, e, de memória, conservo alguma recordação doce e feiticeira. Em verdade, pouco apareço e menos falo. Distrações raras. O mais do tempo é gasto em hortar, jardinar e ler; como bem e não durmo mal."

Bebo desse cálice sem medo. Confio em ti mais do que em mim mesmo.

Beijo

Anônimo disse...

Desculpe, Pipa Lídia

Já lhe disse isso uma vez e torno a repetir. Nada me tira da cabeça que este homem para quem tanto escreves é casado. Diante de tudo que já li a respeito, vejo muita coisa em jogo e não consigo concluir o contrário. Pela força de suas palavras, só sendo casado para não sucumbir. Se fosse um homem disponível, certamente ele já teria voltado.

Cronollogias disse...

Pipa, hoje tu escreveu como se considerasse a - brevidade da vida - acometida de uma "espiritualidade" Sêneca, acho que fiquei mal acostumado, estranhei ... mas que seja! Alguém há de perder,para que tu permaneça desigual. Sem isso, o mundo não teria graça e nem se faria importante e relevante, sentir e escrever sobre o que move a humanidade.
Saudações!

Cronollogias disse...

Retificando: " Alguém há de perder, para que TUDO*"

Velho Santiago disse...

Pipa, pra mim não importa pra quem tu escreves. Aliás, importa se importante for pra você. E aconselho: continue.

Acredito que um Pierrô apaixonado deva encontrar algo que o sustente pra conviver com o amor que sente e não o recebe de volta, não da forma como queres.

Acredito ainda que um Arlequim possa ser desejado e querido, mesmo com seu jeito debochado e preguiçoso. Mas que seja aquilo que realmente é.

E acredito que Colombina seja merecedora de ambos os amores. Seu coração, certamente, não conhece razão, e do que posso eu me armar para julgar tal condição?

Pipa, não pense que não tenho meus valores, os mesmos de todos nessa sociedade católica, capitalista e democrática. É que meus sentimentos não foram educados na escola. Se fizeram com dores e alegrias.

Por essas aulas aprendi que devo buscar minhas alegrias na mesma medida que tenha minhas dores. Isso para ser justo. E que as dores dos outros não são minha responsabilidade, embora eu seja responsável pela libertação de eventuais dores dos outros.

Pipa, pra que tentar pensar o destinatário dessas mensagens? A leio porque belo. Mas... se for verdade, talvez seja Colombina a libertação de Arlequim para um amor que ainda não se materializou. Ela precisa libertá-lo para ele ser feliz. Se verdade, essa esposa...

Sei que conheces o "Anônimo". Ele tem lhe dito que "Nada me tira da cabeça que este homem para quem tanto escreves é casado". Ele pensa mto em você. Carinhosamente, parece. E percebe que você repetidas vezes remete mensagens ao mesmo CEP.

Porque (mantém?) segredo sobre esse homem? Poeta, Lídia, se arma das palavras que se constroem ao seu desejo. Metáforas, aforismos, hipérboles, jeitos diferentes de exemplificar amor em palavras concretas... Um homem pode ser um cachorro (seu análogo), estou certo disso. E tudo o mais que a gente quiser (mas nem todo homem é cachorro - cafajesticamente falando).

Pq que ele teria certeza que "só sendo casado para não sucumbir". Eu, Velho, jamais leria em seus olhos a sucumbência de uma paixão. Não quereria saber e deixaria pra você esse ardor. Que queime em seu peito, não refletido em meus olhos. E como confirmar se ele não sucumbiu? Talvez jogando uma indireta certeira. Há interesse no comentário descompromissado.(?).

Pipa, comentários anônimos têm que ser escritos corretamente? Ou temos esse cuidado quando mensagens são devidamente endereçadas?

Pipa, nunca me ative aos demais comentários, mas dessa vez me deu vontade de ensaiar sobre esse. Me perdoe? Tanta coisa que preferiria ter-lhe dito... Mas estou me deixando levar mais pelos meus instintos. O fiz hoje. Quem sabe um dia a gente se vê no ar.

Abraços e cheiro de Velho.
PS: me ensina a dormir antes das 4h?

Fernanda disse...

Muito bom. Nota 10.

Beijo

Leo disse...

Colombina sempre majestosa nos encantos de moça, apaixonando e reapaixonando a todos com seu jeito faceiro...lembrou Bandeira quando diz: "Perdão, perdão Colombina!
Perdão, que me deu na telha
Cantar em medida velha
Teus encantos de menina..."

Solange Maia disse...

coisa mais lindaaaaaaaaaaaaaa....

bebi com os olhos...

beijo carinhoso

Anônimo disse...

Quem cala consente?

Pipa. A Pipa dos Ventos. disse...

Não. Quem cala ressente.

Ele não é casado.
Na verdade, ele nem existe de fato.


Escrevo para pessoas que nunca existiram. Exceto, pelo breve instante em que estiveram comigo.

Um abraço desamparado.

Anônimo disse...

Anônimo q é Anônimo é Anonimal !
quero v - é esse Anônimo aí comentar minha Anonimalia.

Ai-ai ! não vejo a Hora de me tornar Maduro :
promover a Empáfia e viver a um Passo do Perjúrio / Eu juro !
Afinal o q importa é se vestir de Adulto
para o bom Andamento do Romance Familiar -
velando assim o Sabido
e sua pouca Proporção
(as vezes bem desguarnecido /
Vcs já repararam / sabiam !? q isto muito ocorre em média -
e a Natureza nem se dá Conta do quanto isto deveria ser prontamente corrijido/
de sua pouca Proporção para com o Fruto Proibido.

Anonimalildo.

Anônimo disse...

Muito interessante a combinação, a tristeza das palavras e a forma de uma taça demonstrando alegria. Seria uma luta interna?

Salve Jorge disse...

A taça
Traça
Atiça
Artista
Atesta
Festa
Fresta
Feita
Aceita
Se deleita
Cedo
Não cede
És sede
Nessa rede
Enredo
Pro samba...

Blog do MotaMota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pipa. A Pipa dos Ventos. disse...

Mota, Daniel


(...)Eu ia dizer alguma coisa. Mas as palavras faleceram em meus lábios. Umas, atrás das outras. Vamos deixar que elas descansem em paz no céu-da- boca(...)

Blog do MotaMota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Concordo plenamente.
Pera-í / Cof!
Plenamente-parcialmente:
Dona Lídia sabe q é preciso dar Espaço a Interposições na pouca (por vezes)
na pouca esclarecida Polidez e Empertigamento Webriana.

Tal Concessão vem (com certeza) de sua Generosiade ("q vem da Grandeza")e não de uma Ingenuidade (espero q não)
E poderíamos tb arrolar o Mexerico - q Arte não deixa de ser - "Arte é Intriga."

Quanto a luta "interna" / interna é a falta de vergonha na Cara do anonimalock.

Passar bem.

@pepenomar