9.11.2011





Sting

Fragile.

Eu não pertenço à palavra.

Pertenço a esta dose de brandy.

E a este Monte Cristo que vim fumar na sacada.




Lídia Martins

3 comentários:

Roberta Mendes disse...

Logo que me mudei para a Alemanha, morrendo de frio, de saudade, de cansaço pelo esforço continuado de entender, encontrei na televisão de palavras herméticas uma entrevista em inglês. Era o Sting. Não bastasse o alívio de me pegar entendendo alguma coisa, em idioma que me era largamente familiar, escutei como um alarme sonoro o nome das minhas dores: Brasil. Ele contava sobre uma conversa que tivera não sei aonde, com um químico brasileiro, sobre a questão de as pessoas nos países quentes serem menos suscetíveis à depressão do que as pessoas que viviam expostas a invernos prolongados. O químico lhe explicou a alquimia solar: por conter litium em seus raios, que é uma poderosa substância antidepressiva, o sol efetivamente contribui para a rápida melhora do ânimo. E foi desse diálogo que lhe pareceu fundamental que ele compôs a canção "Lithium Sunset", sua oração solar, seu pedido de forças e de sanidade ao sol exterior, à falta de poder contar com os sóis de dentro. Naquele momento, a canção não poderia fazer mais sentido para mim, que me ressentia da timidez do sol por aquelas latitudes. A música em si não fazia jus à letra que tem. Diferentemente de Fields of Gold, que é um perfeito casamento entre letra e música. Emociona-me, sempre que a escuto. Mesmo que em outra voz.

http://www.youtube.com/watch?v=ZGwDYBWEDSc

Nei Duclós disse...

Suspira fundo, sussurra, a poesia que vive em ti e distribuis, Pipa, generosamente pelo mundo. Há sede de amor por toda parte, que é mitigada pela palavra dita na dose exata, de uma forma que entendemos, sentimos. Moramos na escuridão que insiste em permanecer e só cede diante do sol que o poema faz renascer.

Daíse disse...

Adorei !!!!!
Me encantei !!!!!
Voltarei sempre!!!!
Bjinhos !!!!