1.05.2011

Deixe-o ir





Imagem: Deviantar't





Deixe-o ir -  falei com a voz estrangulada. Como fosse uma lâmina, o barco dos sonhos desfeitos singrava lentamente pelo cais derramando sobre o oceano uma lágrima prateada. O remador, cuja pele estava branca como um alabastro, achava-se atrás procurando por uma pedra que levou na pasta. O livro da  memória estava em branco. Continuou passando as páginas.  Não conseguiu enfrentar seu olhar sob o reflexo endurecido no espelho das águas. Quebradas. A alma,  um fardo de roupas rasgadas boiando sob uma poça paralítica. Os ventos do oeste estavam agora parados. Os peixes deslizavam imediatamente para os abismos. Nem restos de arrecifes sobre as tábuas desmaiadas. A luz se  distanciou muito. Nos pontos mais ínvios da encosta, o horizonte se alquebranta entre as ondas feitas de pó de cristal líquido que se refulgiam em purpurinas azul-escuras. Só se sabe do sol quando cada ponta de luz mergulha sob a face das águas. Do mar vinham centenas de milhares de conchas. Eram cascas de feridas já cicatrizadas.




Pipa.

25 comentários:

Leo disse...

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para meu sonho naufragar.

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre dos meus dedos
colore as areias desertas.

Poema: Cecília Meireles

Beijo com saudade!

Tati disse...

Amei o nome do seu blog e todo o resto...
Muito bom gosto, parabéns!
Feliz 2011!
Beijos...

Alvaro Vianna disse...

Navegar é preciso. Sonhar não é preciso.
Mas este é o ponto de vista do mar, que só vê o casco das embarcações.

bj

Lia Araújo disse...

Pipa... eu nem tenho o que dizer... as lágrimas falam por tudo!

beijos querida
Que 2011 seja lindo!

Thainá Lima disse...

Seu blog é lindo, seu texto, perfeito.
Te sigo, aqui e no twitter, beijos e sucesso *-*

Morena disse...

Simplesmente amei esse blog!
Escreves bem demais!

Com certeza, estarei sempre por aqui!

Beijos!

Carol. disse...

Lindona, você sempre capricha.
Obrigada pela generosidade de compartilhar sua leveza.
Beijóca

WILSON disse...

Você seduz até as pedras que buscam auto conhecimento à luz do sol.


Aqui o bem e o mal se unen para iluminar os questionamentos mais exóticos na tentativa de estabelecer a harmonia espiritual...



Você tem uma habilidade incrível para gerenciar angústias nesse ambiente agressivo e estressante que é a vida.

Hoje passei por aquela avenida. Foi num barco como esse seu.

Ao menos nisso somos parecidos
É minha querida...Ano novo, coração velho...


Wilson, seu amigo, o terceiro homem.

Salve Jorge disse...

"Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por ai a procurar
Rir pra não chorar"
Eu gostava de cantar
Com o Cartola
Que a vida pode ser tôla
Mas a gente passa a bola
E percebe que a dor no partir
Não está no que parte
Mas em cada pequena parte
Nossa
Que arrebenta
Que não aguenta
Que um tanto mais tenta
Mas que não sustenta
Pois não há ser
Só estar
Então não há perder
Nem ficar
Só o vagar
Deriva nesse mar...

Pollycléssio Mota Sá disse...

"Coloquei uma carta
numa velha garrafa
mais uma carta de solidão..."
Não há males que não venham para o bem. Tua solidão está fazendo teu espírito se elevar, para mares ainda mais profundos, para sonhos mais difíceis de perscrutar. Isso é vantagem pois você não será vista como sendo previsível.
Boa sorte em tua errante caminhada em busca dos teus sonhos...
bj do Polícleto

Janine Bettencourt disse...

Oi Pipa,
como sempre fiquei extasiada, ler-te é sempre tão bom, nem há como explicar o porquê.
As tuas palavras são tão leves, nem parecem as mesmas que uso.
Beijo,
Jana

Denise disse...

Ano novo...........coração reformado e pulsando...ainda.
É minha cara.........vamos seguindo.

deixo meu carinho

kellymendes' disse...

um feliz ano novo pra vc :*
n vou me cansar nuca de dizer que acho um encanto tudo aaque

:) disse...

Pipa!

Que saudade de você! Por onde voa, digo, por onde anda?

Já se esqueceu de mim, é?

AbraçãoO!

Pedro Antônio

Shuzy disse...

Gostei do que você escreveu sobre as conchas...

Bonito, sempre...!

Danny disse...

Os meus soltei ao vento, quem sabe com soprados de volta não cheguem com outros pensamentos...

Joel de Sousa Carvalho disse...

Olá a todos os que vão ler este comentário neste blogue ou noutro muito bom como este. Pois é, estou encantado com todos estes pratos tão bem confeccionados. Pois, eu gostava de fazer igual, mas não consigo. A vida é dura e obrigou-me a morar sozinho, e a cozinha não é de todo o meu local favorito. Mas estou a tentar conhecê-la, mas as aventuras têm sido imensas. Fiz um blog humilde para colocá-las em forma de crónica pouco extensas. Gostava muito que todos vocês o visitassem e se possível o seguissem. É que tentar cozinhar e depois não ser ajudado, é algo muita mau.
Cumprimentos a todos!

http://tenhosalfaltamecolher.blogspot.com/

Keli Wolinger disse...

Quando tudo não passa de sentimentos antigos repaginados em uma nova história.
Você está melhor do que nunca.

Abraços,

Keli

Camilla Lourenço disse...

Isso aqui é muito bom *-*
Beijos

Wilson Torres Nanini disse...

Um quebrantamento que alenta. E o título do blog nos previne do onírico querendo virar realidade.

Abraço!

Amanda Arrais disse...

Esse texto me lembrou muito um trecho de uma música de Coldplay "The hardest part was letting go, not taking part".
Mas que bom que a ferida já virou cicatriz. É assim o ciclo da vida.

Feliz Ano Novo

=*

Eduarda disse...

Pipa,

emocionei-me demais com este texto tão intenso.

quero somente agradecer a partilha.

bj

Asas que ultrapassam os domínios do Sol disse...

Oi Pipa,
precisava voar um pouco nesse teu céu, especial. Horas ele fala das tuas dores, noutras fala das does d'gente e noutros ainda fala de mim. olhando dentro dessa faísca que me lançastes dos teus olhos, pude sentir ainda calor e isso é resquício de luz. Por isso, embora seja doloroso traz inspiração!Fica com Deus e como diz o Anitelli do Teatro Mágico, "segue a vida e ama".
Bjusssssssssssssss

Cristiane Melo disse...

acho que não ter deixado 'alguém' ir não tem ajudado a curar minhas feridas! tem espaço para eu joga-lo nesse barco pipa?! :/

renata carneiro disse...

é que, às vezes, o jeito mais bonito de continuar é parar.

te beijo, minha flor!