12.20.2010

A Santa Claus






Arte: © Agócs Írisz




Dizia a mim mesma que algum dia voltaria a Finlândia para ajudar a equipe de gnomos e duendes separar as cartas de Noel à luz do candeeiro. Talvez esse fosse o momento. Juntei-me ao exército dos exilados e por um instante cheguei a imaginar que pudesse surpreendê-lo enquanto empurrava seu trenó entre as colinas embaraçadas por tundras e bosques de pinheiros. O Natal desabaria frio e transparente no por do sol do dia vinte e quatro de dezembro, entraria pela ponta dos pés e só chegaria à noite, quando ninguém estivesse vendo. Montei meu próprio presépio, embora tivesse nas mãos apenas esterco, e contando a história para mim mesma, comecei sem saliva. Quando criança, abastecia os potes com leite e arroz para colocar do lado de fora da porta e dar de comer as manadas de renas que chegariam com os presentes de natal. Por alguma razão elas nunca vieram. Enquanto meditava sobre o espírito natalino me veio à memória a visão daquele cristo ensangüentado, arrancando uma coroa de espinhos e deixando rastros na neve da interminável noite hibernal. Não importava a que causa aquele cristo servia, contando que fizesse a humanidade entender de uma vez por todas que para subir a hierarquia e salvar o mundo desse surto de náuseas é preciso vomitar o rei que se carrega na barriga. Temi que sua missão fracassasse miseravelmente, já que ainda são maioria os que acreditam que o mundo gira em torno das virilhas. Voltei ao instante do seu nascimento e tentei resgatar a verdadeira mensagem do Natal. Dessa vez, houve efeitos especiais. O problema dos surrealistas é que eles não abrem mão da magia, ainda que a cenografia seja horripilante. Quando a emoção entra em cena, a razão pula pela janela. Comigo é sempre assim, sou especialista em dramas, principalmente os de conteúdo sobrenatural. A verdade é que eu havia fugido do mundo e só tinha um lugar onde eu pudesse me esconder: a imaginação. Meus pensamentos me apertaram com força, como se desejassem me espremer. Achei que fosse desmaiar ali mesmo e foi então que o vi. O operístico e insuperável homem de vermelho.  A noite estava mais escura do que nunca, e por trás das vidraças, como se pudesse adivinhar meus pensamentos, o estranho sorriu. "Hohohoho." Sem saber se ele ria de mim ou para mim, tentei cobrir a cabeça o mais rápido possível antes que aquele lendário com formas ovais pronunciasse alguma palavra e concretizasse meus piores temores: a certeza de que ele era real. Voltei o cobertor xadrez à altura dos olhos e esperei. Trocamos um olhar de perplexidade e pela sua expressão de velório intuí que ele estivesse assustado com o meu aspecto de defunta. "Desculpe por ter demorado", declarou. Ele estava suspenso por um trenó e quanto mais eu olhava maior era a impressão de que aquela barba era grande demais para o seu rosto, e à menor distração, se enroscaria nas galhadas das oito ou nove renas voadoras que o sustentavam, e, para salvá-lo gastaria todo o seu exército de incontáveis duendes e elfos mágicos. Não contabilizei o par de óculos, infinitamente desproporcional. Pensei que eu tivesse finalmente ascendido ao plano espiritual, o que não era novidade alguma, já que era a quarta vez que eu havia morrido esse ano, e, a medida que ele se aproximava me perguntava se eu tinha alguma ideia de onde estava e o que estava fazendo. Comecei a suspeitar que a providência divina não decidiu me matar, ao contrário, queria que eu vegetasse pacientemente com aquele susto cardiovascular. Senti um calafrio e, temendo caminhar para o sétimo passo, retrocedi. A curiosidade levou a melhor e eu disse adeus ao ceticismo. Senti coragem para me levantar da cama e ao abrir as janelas, constatei que era de verdade aquela carruagem de formas impossíveis suspensa sobre o céu. Estendi a mão em sua direção e quando tentei tocá-lo, como num passe de mágica, ele desapareceu. Desci as escadas da casa e procurei pela árvore do desejo, e, como não havia nada embaixo pensei - ele foi embora com as sombras, do mesmo jeito que veio. Compreendi então que até o último momento eu tinha lutado para me proteger de todas aquelas histórias de bombas e tiroteios que me assaltavam a paz e por vezes a fé no que viria, mas lutei, sobretudo, para não perder a magia.  Parei de criar embaraços à minha própria vida, porque não há dor que diminua o valor de uma consciência evoluída. Entendi que a paz pode ser concluída com um suco, um café ou um chá, valores que todos nós temos no caixa e isso até um andarilho pode pagar. Sou das que choram no banheiro, mesmo a casa estando vazia. Não esperei o convite do sono, pois sabia que  aquela noite nem ele  me visitaria. Estava começando a reler Alice pela décima vez quando alguém bateu na porta com nós nos dedos de tanta aflição perguntando se podia se entrar. "Pipa me desculpe", falou a voz num tom vagamente familiar. "Não sei se foi por ter passado muito tempo no mar juntado aquelas garrafas para entregar ao menino que desapareceu, mas de repente me deu uma vontade imensa de..."Papai Noel, não precisa completar, falei cedendo-lhe a vez - o banheiro é todo seu!



Antecipo meu Feliz Natal e meus votos de um glorioso 2011, carregado de cores e magia. Tomem cuidado na escolha das tintas, especialmente com as tonalidades de cinza. Me afastarei por alguns dias. E gostaria que soubessem que vocês são o melhor presente da minha vida!


A gente se vê no ar!

Pipa. A que não perdeu a alegria.

46 comentários:

A Mina do cara! disse...

feliz natal e um novo cheio de inspirações e novas histórias!

Lilly M. disse...

Eu também 'dizia a mim mesma' que ajudaria 'a equipe de gnomos e duendes separar as cartas de Noel à luz do candeeiro'.
*_*

Lindíssimo texto.
Beijo meu,
Lilly M.

Anônimo disse...

Leonmm@ig.com.br disse...

LÍDIA, LINDA, óhh, quero passar o Natal com vc... esperar o coroa descer a chaminé, te fazer um cafuné...

Um beijo carioca em ti.

Anônimo disse...

Final cinematográfico - compensou a embolada.
Mas-q fique claro Dona Pipa!
Não queremos de vc - precisamente uma alta literatura -
nem tampouco (eu prefiro escrever "tão pouco",mas, ouvi dizer q está errado)
pois então Dona Pipa...não se preocupe em nos oferecer boa literatura/ nem tampouco volte renovada...
Seja feliz prestigiosa Pipa - seja feliz!
q o resto é pataquada.
Passar bem - passar bem!
Torc-Amada.

C.L. disse...

Olá há 4 dias comecei um blog onde vc encontará post de fragmentos dos livros que li de Clarice Lispector.
Passa lá pra dá uma olhada.
Sigo-te.

Roberta Mendes disse...

Pipa, querida, fez inverno no Palavra em Fuga. Ainda bem que você apareceu de meias de lã e cobertor xadrez. Vejo que seus pulmões não foram afetados, ainda bem. E o pigarro, ora, o pigarro é o disfarce do silêncio para essa nossa despedida. Alguns dias, você diz. E já inaugurou em mim a espera. Estou aqui, tamborilando os dedos no teclado. Abri uma de suas garrafas e tomei três colheres, das de sopa, da beberagem adocicada. Não consegui identificar ao certo os demais ingredientes, além do anis. Vou chutar marzipã e cravo da índia. Acertei? Me manda a receita, se ainda a tiver. Pode ser em finlandês mesmo. Eu também já separei cartas para o papai Noel ;-)

Anônimo disse...

oi eu sei q e muito triste muito triste mas gostaria muito msm passar mas um natal do teu lado se for possivel um beijo minha deusa eterna...

Nívea Flor disse...

O melhor presente mesmo, minha querida, são estas tuas linhas recheadas de luz e sensibilidade.
A leveza daqui me faz uma pessoa melhor!

Beijooo e feliz natal pra vc tambéeem!!!

WILSON disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Oh céus! Não me diga que ele foi supreendido por uma prisão de ventre e queria cagar!!!!!!!!

TOU ABISMADO LÍDIA,ESSA É A PALAVRA!!!


Você tem uma fé do que ainda podem contar os anos nos dedos das mãos Lídia, deve ser por esse motivo que é tão ovacionada. Quantas vezes rezei pra que vc se encontrasse e alguma coisa dentro de mim dizia que você me escutava.

Mais estrondosa do que essa capacidade de se remendar almas quebradas é essa visão montanhosa e essa inteligência enigmática de construir ideias que eu não teria nem que passasse a vida inteira tentando.

Oh Lídia, só uma mulher intensa poderia derramar um mar de luz e fazer a humanidade mergulhar na fantasia só pra ter o capricho de transformar desgraça em piada!!!

E com conteúdo moral, filosófico e mágico.

E pra essa me curvo
Porque foi de ARREBENTAR!

Você é reluzente mulher e eu te amo muito. Só vc pra ressucitar um velho com o coração apodrecido de tanta tristeza, e esses anônimos aí, façam me o favor! Vão se ferrar!Porque esse Natal ela vai passar é na minha casa! De onde eu tirei essa ideia? De meus sonhos, ora.

Feliz Natal minha nega, feliz ano novo e claro é seu aniversário dia trinta e um de dezembro, e meu pensamento estará em ti!!!

Wilson, seu amigo, o terceiro homem.

Alvaro Vianna disse...

Uma data de 2010 anos tem muitos textos escritos a respeito. Uma infinidade.
Ainda assim, você foi capaz de nos brindar com algo absolutamente novo, com esse seu humor que chuta o estômago.
Estou estupefato. Até hoje, a melhor imagem de Natal que havia em minha mente era a da nevasca que Edward Mãos de Tesoura provocava sobre aquele aquele antes insosso subúrbio.
O Natal é festa da alegria que se quer e da tristeza que se tem. Essa eterna dialética sentimental é o que o mantém vivo.
A sua visão dele tem algo de iconoclástico. Ainda assim remete a esperança. Eu, ao menos, senti. Se alguém pode escrever um texto com essa qualidade, tudo o mais poderá ser possível.
Pena que a Pipa é uma só, e os que aguardam o melhor presente do velhinho desandado, vários.

Beijo

Bella disse...

Lindo, lindo e lindo!
Um final impressionante e fofo, porque eu imaginei uma garotinha falando isso para o papai noel com seu ação surpreendente :)

Estou seguindo, mas já que vc vai se afastar um pouco, irei me divertir com seus outros textos :)

Feliz Natal e um belo ano novo :)

z i r i s disse...

Prima... Tava com saudade dessa vorta na roça! Nela um sapo pode parecer uma pedra parada na beira do rio mas nunca vai deixar de ser um sapo! Nem com teima perde o encanto de sapo. Concordo com o cumpadi aí em cima... Admiro demais essa natureza, não importa quem seja, a henna ou o homem do saco: entra, sirva-se de um pedaço de peru e esteja a vontade...


Mais uma vez, ressurgiu em risos!

Te abraço!

Pérola Anjos disse...

Encontrar este espaço recheado de palavras fortes, sensíveis e belas, ao mesmo tempo, foi um dos meus presentes este ano!

Muita luz em teu caminho, menina Pipa!

És dona dos encantos!

Beijos!

Anônimo disse...

oi dona pipa pede para q esse teu capachao,q se diz ser o terceiro o melhor essa bicha cuidar da vida dele ou dela porq da tua ja tem muitos cuidando.ti espero la do outro lado de braços aberto bjos
minha deusa gregaaaaaaaaa...

Anônimo disse...

nossa pipa vc ta podendo hem,quantos homens querendo sua presença no natal coitado desse anônimo deixa ele ser pelo menos seu quarto homem,ele ta desesperado kkkkkkkkkkkkkk bjo feliz natal

Denise disse...

Adimiro esta q não desaprendeu a alegria e voa voa e voa.

Te ofereço paz

Te ofereço paz
Te ofereço amor
Te ofereço amizade

Ouço tuas necessidades
Vejo tua beleza
Sinto os teus sentimentos

Minha sabedoria flui
De uma fonte superior
E reconheço esta fonte em ti
Trabalhemos juntos, trabalhemos
juntos...


Denise

gabs. disse...

haha, que coisa fofa
'o banheiro é todo seu' (:

feliz panetone :*

Mulher Vã disse...

Hahahahaha!

Papai noel com dor de barriga, essa foi boa!

Por acaso, voce teve tempo de se enrolar com a toalha? >=P

Inexplicavelmente bom!

Te vejo na Copa!!! Hehehehe

"Damas de Copa" =P

Beijão

WILSON disse...

Lídia


Voltei para reler o seu texto, e tenho outro comentário. Dessa parte do Cristo. O mundo está cercado por tanta banalidade não? Jesus nasceu para morrer por causas mais vergonhosas que nobres, e tudo pela falta de discernimento porque a humanidade detesta mudanças, ainda que sua única conseqüência seja o progresso. O papai Noel provavelmente mobilizou todos os personagens dos contos de fadas porque certamente sabe que sua carga é muito pesada e, sozinho ele não ia poder carregá-la. Sejamos tolerantes. A bile é a responsável pela limpeza do estômago. E o grande propósito do vômito é o sabê-lo embrulhado, e conseqüentemente funcionando.


Lídia minha rainha helênica, a verdade é a maior arma contra a calúnia, essa mesma calúnia que só medra em terrenos estéreis.

Agora escuta o que vou dizer Lídia,
Isso é forma de deixar tratar seus convidados?


Se você pensa que eu vou te dar um presente está redondamente acertada! Porque vendo seu twitter, estou convicto de que a falta de caráter sim, deixa a alma flácida.

E por falar em bichas, me lembrei daquela música!!!


Esta chovendo homem!!! Aleluiaahhhhhhh!!!!


Sabe o que mais gosto nas bichas? Elas transformam qualquer aborrecimento numa desgraça.

E com um diferencial: JAMAIS NO ANONIMATO.

Nunca sabem o caminho a seguir e isso não significa que estejam perdidas. Oh good!!! Entre as diversas formas de mendicância, a mais humilhante é a do amor implorado. Não - isso não foi eu quem disse, foi um sábio que provavelmente se dirigia a um otário. A ausência de luz torna a pessoa espantosamente escura. Não vou mencionar o ramalhete de viúvas, estão todas despedaçadas. Como é belo o amor quando confessado. Sabe o que mais me conforta? A Pipa pode até não ficar com Deus, mas também não ficará com o Diabo!!!

Lídia querida, você está com uma cara ótima!



Wilson, seu amigo, o terceiro homem.

Anônimo disse...

E Minha Querida Amada Lidia Mas Sabio e aquele que sabe uma só verdade que aquele que acredita em um milhão de mentira.
É Preciso ter de si mesmo a suficiente confiança para não atrair a desconfiança o bastante para não fazer TOLICES...........Acendo Uma Vela A Te Bejosssssss...

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk anônimo vc como poeta da um otimo monstro de granulado toma!!!

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Wilson,

Se esse estardalhaço todo é para que eu me manifeste, vou dar o ar da graça. Uma cara ótima? Ah sim, é que fui atropelada por um trem bala. Meu grande amor está em New York com uma dama de desejos inconfessáveis e eu estou muito feliz. Finalmente renunciei a vaidade de me ver casada para entregar o que resta de mim à bacia das almas e terminar meus dias como uma beata entediada e solitária e, ao anoitecer minha máquina de escrever vai sussurrar segredos ao pé do meu ouvido e eu vou traí-la contando tudo ao papel, como fiz com todos os outros. Nada mais será real, com sorte, servirão de orelha à algum volume de contos baratos. Acha mesmo que fico bem nessa fantasia turva e retorcida de moça do lago? Eu ia dizer outra coisa, mas está fazendo um frio indescritível aqui dentro e as palavras se congelaram em meus lábios. Quanto aos anônimos, eu poderia dizer aos pierro'ts para que deixassem cair as máscaras de sepulcro egípcio, mas a colombina já conseguiu derrubá-las. Sem ânimo para guerras, mas respeito o livre arbítrio, e a meu ver, foi a melhor arma de precisão já inventada.

Alvaro Vianna disse...

A respostas suas e do Wilson foram geniais, mas creio que os anônimos não terão intelecto para entendê-las.

Beijos de desagravo.

Anônimo disse...

Ô Alvaro Viana!
Deixa correr frouxo...
Cê quer por pingos nos is -
dar nomes aos bois/
Penso q estais a refutar a experiência humana fora da cartilha hobsiana/
Né-não!?
Não vale desdenhar/
Senta a pua! Segura o môi !
Bebe no arrôi.
Passar bem-passar bem.

Pollycléssio Mota Sá disse...

"Há tantos quadros na parede, há tantas formas de se ver o mesmo quadro"
Assim é que começo meu comentário, de como vejo teu texto querida pipa. Como disse há poucos dias, voei pela primeira vez e digo que lembrei de você, as nuvens pareciam, de fato, com algodão doce. Em seu belíssimo devaneio vejo ainda o pensamento de dois personagens fenomenais. Pascal quando diz: "O amor tem razões que a própria razão desconhece." E se um pensamento surreal cheio de magia existe em você, é sinal de que tem muito amor pra dividir. Renato Russo na música um dia perfeito quando canta: "Como as crianças, são as pequenas coisas que valhem mais..." E na sua simplicidade de - mesmo em um mundo tão descrente - acreditar e sonhar torna seu coraçaõ puro como o de uma criança.
te admiro por tudo isso
porque tens a capacidade de amar e por ser simples como uma criança.
bj do polícleto

Anônimo disse...

Correção: Fica "prelado hobsiano.""cartilha"ficou ostensivo.
E não me provoca-não-viu!
(pela parte q me coube)
É cor-de-rosa-choca.
Quer moleza!? senta no pudim.
Ou toma sopa de minhoca.

Sejam bem vindos a mais um baile de máscaras -
as máscaras completam o maniquin;
penso q escondem!
Como não!? escondem -
mas-também (q eu vou vê)
olha quem vem lá se não é o Abel morrendo de ri e abraçado do Caim!
Sua face rósea - pois rósea é a face do carmim...
me diz desbragadamente:
Qui-é!?
Tá olhando o q !? tá pensando q viu alguma coisa !?
(agora jocosamente)
Cê-qué-sabê!? cê não viu nada!
(e simplismente)
pois este é um número sem fim.

Suzana Z. disse...

Feliz Natal cheio de cores bem vibrantes Pipa...
bjoks

Vozes de Minha Alma disse...

Pipa, voce é um presente, presente em nossas vidas.
Venho desejar um natal abençoado a ti e a toda tua família.
Abraços, bjs.

Luz

Vem à luz um poema invicto
Um poema que diz tantas coisas
Diz ao que veio e de onde vem

Vem à luz um poema encarnado
Que fala por si
Livre do despotismo de palavras

Ele é fraternal, amoroso e amigo
Vem à luz um poema humanizado
Receptivo, amoroso, visível

Vem à luz um poema que fala do amor
Da nobreza, da plenitude formosa

Iluminado poema
De luz maravilhosa
Vinde logo ao mundo!

WILSON disse...

New York? Levar a namorada?

De onde tirou essa ideia absurda?

Que bobagem!

Não pode estar falando sério...

Se não estiver blefando finalmente a vida lhe ensinou como perdê-lo para sempre.

Bem que avisei que você estava dando murros em ponta de faca desde o início.

Essa é a verdade.


Wilson, seu amigo, o terceiro homem.

Carol R. disse...

Feliz Natal :)

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Wilson,


Devia esclarecer aos leitores a natureza da nossa relação antes que me confundam com a dama das camélias esperando você chegar para lhe arrastar para uma incontrolável vida de luxúria e pecados sem perdão. Seu comentário, claro, conseguiu eliminar o pouco de ânimo que me restava para passar o dia. Mas não vou fazer um sermão, ou não irá à missa do galo. Não estou aqui para julgar o certo ou o errado, porque a culpa foi toda minha por tê-lo estimulado. Coloque um preço para que me deixe em paz. Não se preocupe com a quantia, eu pago.


Se me dá licença, preciso terminar minhas malas ou vou perder o avião.


Feliz Natal, quando eu chegar a Copacabana, te mando um cartão.

Leo disse...

Pipa, minha menina querida.

Devias ter me levado pra Finlandia também, to precisando ter um papo com o papai noel, anda errando meu presentinho. rs

Querida, eu lhe agradeço por colorir meus dias, por voar em meus ares, por ser tão gentil e amiga comigo sempre, em 2011 tem muito mais!

Feliz natal, moras no meu coração.

Beijos com afeto.

Anônimo disse...

Completando o serviço(usando o bidê)
Brigadu-Pipa! Este é o Pipa News - Aqui vc voa/
Extra!Extra!
GENERAL PHOM-PHIM É EXPULSO DE CASA
E DIZ Q VAI MORAR NO QUARTEL.
Mas não desanima não gente!
"O negócio é não desanimar."
É claro q não vai dar pra todo mundo fazer uma ponta em Sex And The City e é bom manter em dia uma oração:

12.756,8 km de diâmetro equatorial,
12.713,8 km de diâmetro polar...
Este é o Planeta Terra -
este é o Planeta Azul;
girando e girando...e girando -
girando em torno do próprio eixo,
girando em torno do Sol...
Foi qd então se ouviu na abóboda celeste:
_Me passa o Catchup!

Francy´s Oliva disse...

Pipa que os gnomos e fadas possam realizar seus desejos nestes dias de renovação. Desejo a ti toda a felicidades, um abraço em sua alma.
bjs

Mulher Vã disse...

Eu nunca leio comentarios anônimos. Devo ser anti social.

NayanaFerreira disse...

2011 com muita energia.

Por que você faz poema? disse...

Adeus, ano novo!

José Vitor disse...

Além de gostoso é também proveitoso fugir com as renas, lá se fabrica felicidade, a gente foge da realidade, converge-se na fantasia, se um dia voltar... trás no pacote... poesia!

Vou seguir teu blog, se convir deixe no meu a tua passagem, ou me convide para o próximo ano fazer tal viagem (risos..)

abraços

Mari e Poly disse...

'Quando a emoção entra em cena, a razão pula pela janela'

você desperta emoções com seus texto!!!

Feliz 2011!!!
bjuss

Alex Wildner disse...

porondeanda,vejoquenaoestevenoar! hehehe
Aparece!

Shuzy disse...

Feliz 2011 Pipa!
Volte logo...

Shuzy disse...

Feliz 2011 Pipa!
Volte logo...

Mulher Vã disse...

Cadê a porra de post novo?!

José María Souza Costa disse...

Gostei da forma em que foi feito a cronica
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Anônimo disse...

Apoiado!
Faço minha as palavras da Mulher Vã
(Cadê a porra do post novo)
É q eu não tinha ainda lido,mas,
já tinha (pode crê) pois-sim, gostado.
Homem E(n)viado.

Keli Wolinger disse...

Pipa!

Aquela que transforma palavras em sonhos.

Um dom muito raro.

Muita luz e boas energias para você.

Grande abraço,Keli