12.01.2010

Fantasia não falta





Imagem: Deviantar't





"Levanto a cabeça e olho a noite no céu,

não as estrelas, mas o espaço

negro que as separa."





José Luis Peixoto: In.: Nenhum Olhar





Teriam que passar muitos anos para que ele descobrisse o que havia por trás do nome e da forma. Às vezes me sentava em frente ao espelho ensaiando discursos ridículos para justificar as exaltações que provocavam aquelas esperas.  Recordar era a única coisa que nos mantinha vivos. Pensava nele. Ainda pensava muito nele. Como  num passe de mágica, saltava desesperadamente para as poucas alegrias. Enchia os olhos de sorrisos que eu nem lembrava que existiam, e, quando voltava com os braços carregados de esperanças, não sabia onde colocá-las.  Naquele estranho espetáculo de camas vazias, contemplava a silhueta angulosa de um corpo que deixei de tocar para apenas imaginar. Nem mesmo  a escuridão daquele quarto conseguia esconder a inquietude de meus dedos, que deslizavam por aqueles lençóis desertos  num desconcerto sem palavras. Sussurros macios e molhados, arrombavam a porta dos meus ouvidos com a língua, deixando que ela silenciosamente enviasse o recado. Os olhos morriam no semicerrar das pálpebras, numa interrupção lacrimosa que escorria pela face e chegava até os lábios, como se quisesse matar uma sede que lhe era própria. Fantasiava até sombra da noite escurecer a minha vista, para que eu não tivesse que constatar que além daqueles absurdos truques de memória, não havia mais nada.  O coração, como se soubesse algo que eu ignorava, tal qual uma ferida aberta, latejava. Não era de dor, mas de uma expectativa imensa. De saber que ao menos em sonhos, podíamos nos encontrar. Duas aves notívagas, alçando voo rumo a um paraíso  perdido, que nem mesmo os predestinados a ele logram imaginar. A fantasia  é um pássaro de luz batendo asas nas trevas. Arrastando-nos para um mundo de alucinação e mistério, do qual, receio, que nenhum de nós possa escapar. Tentei levantar os olhos, mas o sono conseguiu derrubá-los. Adormeci sob a penumbra lilás da madrugada e escutei um pio de súplica  repicar do outro lado do mundo. Fui incapaz de vê-los se afastar. A noite, indiferente, levou-os embora.  Já não tinha a menor dúvida de que eles pertenciam a outro tempo: dos que amam  e se deixam amar.



Pipa.

28 comentários:

Hubner Braz disse...

Perfeito...

Bjs

Roberta Mendes disse...

Se a generosidade da lucidez é o conhecimento da verdade, a avareza dela é não nos conceder ser para além dos limites da realidade. Mania que a lucidez tem de acender a luz no melhor do sonho... Lembra-me os lanterninhas ranzinzas dos cinemas de antigamente, vigiando modos... E tem lá modos a fantasia? A minha, ainda hoje, come diretamente dos potes e lambe gulosamente os dedos.

Querida, passei a escrever também às terças-feiras, quinzenalmente, no Tremaliteratura (www.tremaliteratura.com). Comecei ontem.

Te abraço com sede,
- Roberta

J. disse...

Simplesmente

Perfeito!

Pollycléssio Mota Sá disse...

Se eu tivesse a díficil missão de definir que é você,diria assim: PIPA A QUE TEM ESPERANÇA. Você é a expressão viva dessa palavra que juntamente com SONHOS, FÉ, AMOR, foram deixadas de lado.

Bj
Polícleto o que imagina...

J. disse...

Simplesmente

Perfeito!

★★ GIZA ★★ disse...

ola
fiz um blog novo e adoraria ver sua presença por lá
se gostar me segue por favor
www.amorimortall.blogspot.com
beijinhus

Anônimo disse...

Tuas palavras caíram em meu colo nesta madrugada, e com elas vieram as lágrimas.
No momento em que sinto perder o melhor presente dos últimos tempos, guardo a esperança...Que esta escolha o faça feliz e que eu possa assim como a Fenix, renascer para alçar novos vôos.
Parabéns pelo Blog. Textos admiráveis de alguém, creio eu, não menos.

Márcio Vandré disse...

O que importa não é lutar por um paraíso perdido, mas sim continuar voando e acreditando que vai encontrá-lo, até que as asas de cera derretam com a luz solar...
Um beijo, Pipa!

WILSON disse...

Sua pele está fria...Vamos me mostre a lígua. Era o que eu previa.



Não consigo entender o fato de dialogares com pedras. Se elas te pesam, pra que carregá-las? Só tem uma explicação. Deve ser para valorizar o passe de sua ambição literária!

Se não puder ser justa, tente ao menos ser lógica.

Você é a pior sentimental do mundo!
E ele, não é tão fascinante quanto pensa. Não vejo fascínio em nada que traga sofrimento e nem em textos que me fazem mergulhar num longo silêncio.

Wilson, seu amigo, o terceiro homem.

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Wilson...

Mostrar a língua? Não vai conseguir ver direito, ela está ensanguentada. Sentiu o hálito da maldição? E o que previu? Que estou desgraçada? Então é isso que acontece quando a gente envelhece? Não acredita em mais nada? Procure você um médico Wilson, antes que seus cabelos caiam e ele tenha que lhe agarrar pela careca. E quanto às pedras...Não é sobre ombros que as carrego, é antes, no coração, e é exatamente por isso que elas não me pesam.

LUZIA disse...

'Já não tinha a menor dúvida de que eles pertenciam a outro tempo: dos que amam e se deixam amar.'

Lindo texto Pipa!!
Fantasia não lhe falta mesmo...

Um grande beijo.

kellymendes' disse...

tudo tãaao leve aqui sincero adoro o jeito em que vc encantaa *-*
toda sorte amo teu blog !

leonardo mattos disse...

Nossa, que talento esta pipa tem.
Voa alto, profundamente, de maneira espetacular...

z i r i s disse...

Ainda posso ouvir o ranger das pálbebras envelhecidas de lembranças, abandonando o sótão de memórias ainda não vividas, seu local preferido de brincar... Seus baúzinhos cheios de truques de amar.

A fantasia é um pássaro de luz batendo asas nas trevas.

Imaginar-lembrar é entrar num outro báu, é nunca esquecer...


Sempre que leio um texto assim, saio do corpo e isso me engrandece!

Te beijo, te abraço, te agradeço!

Letícia Campos Padula disse...

seu texto é maravilhoso!
estou te seguindo, um grande beijo!
e parabéns pelo blog, que é de orgulhar. :)

Dan Porto disse...

Impressionante o quanto cada palavra ocupa o lugar exato!

Fernanda de Alcântara Alencar disse...

Nossa, era exatamente um blog de escritos suaves, sútis e detalhadamente inteligente e sensível que eu ansiosamente tanto procurei para acompanhar sem medidas.

Meus Parabéns.

. disse...

Uma saudade que não deixa a paz imperar. Lembranças, velhas conhecidas que pinçam nosso baú recolhido e deixam um ar nostalgico que não alimenta, mas fere. Eu sei bem, porque como borboleta esvoaçante, guardo no peito o que pulso e vibra uma saudade antiga.

Beijo doce, nesse coração envolvido em linhas coloridas.

so sad disse...

tantas vezes ensaiei discursos, mas nunca consigo jogar as palavras ensaiadas quando ditas...

bjo!

Salve Jorge disse...

Mais que o espaço
Só mesmo o teu traço
Que parece fazer um laço
Em tudo que penso
Ou faço
É quase o conforto de um abraço
Com o sabor desviante de um erro crasso
Crime que compenso
Por ser tão imenso
Fico propenso
E me engraço...

Shuzy disse...

Ain Pipa... Não sei se te agradeço ou reclamo! Essa não é a primeira vez que você toca no lugar exato da minha dor... Bom é que tuas palavras são como que anestésicos.

Beijo*

Jaya Magalhães disse...

É de uma beleza tão grande, todo o escrito. De uma sensação tão macia, tão doce. Já me vi tão nesse mesmo momento, como o da tua poesia. Hoje, todavia, não faz muito sentido para mim.

"É que eu não amo ninguém, parece incrível. Não amo ninguém e é só amor o que respiro".

Dois beijos estalados.

Pérola Anjos disse...

Difícil convencer a um coração apaixonado a deixar de sentir.

Por que o destino cruza e a vida descruza os caminhos, meu Deus?

Beijos e luz, menina Pipa!

Leo disse...

É por isso que não devemos deixar de visitar o mundo da fantasia, é lá que nos recompomos e que também descompomos. o mundo da fantasia é o amor? talvez...

Te beijo. Me beijas.
Fantasiamos.

Rodrigo Passos disse...

lindo texto!

Menina no Sotão disse...

Ainda estou procurando o que dizer. Afinal, é tão bom quando palavras nos submetem ao silêncio, nos levando para dentro e para a sensação de que vivemos o que ali estava descrito. E isso me basta por agora. Só posso agradecer por esse combinado delicioso de sensações que espero levar comigo ao longo desse dia. bacio

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gostei de como toda trama foi conduzida, e da leveza das cenas escritas

Janine Bettencourt disse...

Adoro ler-te Pipa, adoro a forma como conduzes a nossa respiração.
Sublime!
Beijo enorme,
Jana