10.29.2010

Sussurros







 Arte: © Agócs Írisz








Já havia anoitecido quando deixamos o cemitério. Edward me sorriu com tristeza, debaixo daqueles retratos de veludo líquido aprisionando rostos de seus antepassados. Escondia sussurros, enquanto mordia os lábios. Tinha olhos arruinados. Parecia que aquele menino solitário tinha construído seus próprios sonhos de açúcar e eu seria a primeira a quem ele os teria apresentado. Não deu tempo. As formigas chegaram antes que pudéssemos saboreá-los. Com todo cuidado, apoiei meus braços em seu ombro. Ele vestia um terno que provalmente valia mais do que todo o meu ordenado. O contato com seu corpo era de paz. Entregamo-nos às lembranças com a fidelidade de um vassalo. Havia um arsenal de quadros e flores que eu nunca tinha visto. Ele desabotoou lentamente o casaco, enquanto eu franzia a testa intrigada. Levou-me até um túmulo de mármore. E uma sombra se arrastou até calçada. Vi um corpo nu todo em pedaços. De um jovem advogado. Soube que ele se matou. Não quis verificar os detalhes de sua história. Nunca vamos saber qual era a sua verdade. Todo mundo que morre gostaria de ser lembrado, o que não significa que alguém vai fazer isso. Mas Edward fazia. Quem sabe para protegê-los. Ou desenterrá-los.





Pipa.

20 comentários:

H. Machado disse...

O que terá ocorrido por detrás de toda esta sombra? De uma verdade, tenho certeza: ela chegou depois.

Ju Fuzetto disse...

Sabe que nunca compreendo a morte. Talvez exista alguma coisa que nos faça entender algum dia. Um novo plano, outro caminho. Mas nunca deixa de ser sombrio.

beijo Pipa. Bom findi

Rafaelle Melo. disse...

Mistério!

E me emudeço mais uma vez diante das sua linhas!

Tenho sentido falta de cores por aqui, Pipa!
Se agente teima em pintar monocromático pode ser que nos desacustumemos quando virmos o arco-íris.

Independente disso, em aquarela ou preto e branco vir aqui é sempre bom!

Te abraço.
Me abraças.
E tudo fica um pouquinho mais colorido.

dear sarah disse...

Proteção! Peço sempre a Deus.
Você sempre arrasando nas postagens ein, textos lindos!

onzepalavras.com disse...

Obra prima.

WILSON disse...

Me benzi duas vezes consecutivas. Não acreditei no que vi esta manhã. Quando vai contar ao mundo que arrajou um namorado e que queremos enterrá-lo?


Bem que as freiras me avisaram. Que Deus o tenha.

Pipa para presidente!!!!!!!!!!
Não se preocupe! Dilma fará as vezes desta lua de mel para representá-los!!!


Uiiiiiiiii. Aiiiiii. Que inveja.
Glória Mundi. Dali passados incendiados!!!!!!!




Diga-me quando decidiu rescindir o contrato com a Companhia de Achocolatados?

Foi longe demais. Este Monstro não tinha porque não morrer!

Quando vai começar a escrever sobre o novo reinado? Convites de camarotes de cruzeiros trazidos pela boca de um pássaro?


Estendo te um bombom de chocolate, não sem antes te olhar com toda cautela.
Impressão minha ou o teu rosto está ficando amarelado?

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Quanta indiscrição Wilson.


Enquanto eu tiver comentaristas como você minha vida pessoal ficará ingovernável.



É só um sonho. Te respondi?

A Mina do cara! disse...

Tem uma frase do Rubem Fonseca que eu gosto muito:
"As pessoas morrem de fato quando aquelas que as amam as esquecem."

Primeira vez que venho aqui. Voltarei, com certeza.

Um abraço

Sara disse...

Pipa, penso que tens mais sorte que azar, apesar das formiguinhas devorarem seus sonhos construídos de açucar, ainda assim consegues deixar o cheiro adocicado, e esta capacidade imensa de construir coisas através de palavras...sinta meu abraço para não esquecer!

Keli Wolinger disse...

Pipa,

Surreal sem tornar-se amedrontador.
Nem todo fim pode significa infelicidade, talvez uma descorberta.
Sonhos são estranhos pedaços de nós.

Abraços, Keli

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ NARA CABRAL Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

seguindo vc
bjim

Roberta Mendes disse...

Não sei se foi a sugestão do desabotoar do casaco do amigo, seguida pela horizontalidade do mármore, mas eu juro que, por alguns instantes, quis do túmulo berço, ninho, cama. Os líquens disputando a umidade de outros fluidos, a textura de musgo das mucosas receptivas, a vida, a vida...o desfalecimento. O açucar desfeito em sal: gostos de vida. Mordi o lábio. O sangue prevaleceu. Sobre o açúcar. Sobre o sal. A morte tomou-me de assalto. Eu ando sempre desprevenida...

Marília Gabriela disse...

Pipa... pra curar um amor o que se faz?!?!?

Eu tenho um monstro de doce de leite... arrancando pedacinhos de coração...

já não sei mais... como seguir.

Roberta Souza disse...

Olá!!


Estou passando aqui para dizer que estou sorteado uma linda caixinha de boneca de biscuit.


Participe!!!

http://robertaasouza.blogspot.com/


Roberta Souza

bjinhosss

Sil.. disse...

Pipa,

E quem entende o que acontece do lado de lá?
Enquanto estamos do lado de cá?

Mas sempre alguma coisa nos une!

Beijooooo, minha querida!

Hubner Braz disse...

Pipa,

Amei o texto... Defino a vida é como um prisma, onde encontramos as amizades pelas arestas" (Hubner Braz).

O lado de lá é um mistério que só revelará quando estivermos lá... O que sabemos são apenas suposições.

PERFECT... Sigo-te NOW...

BjXXX

[Confissões Insanas]

Cristiano Guerra disse...

É a segunda vez que leio uma crônia sobre a morte hoje. A morte é tão encantadora, não acha? E nós somos tão egoístas, Pipa! No fundo, no fundo, a morte é uma coisa simples. Pelo menos eu acho. Estava refletindo um tempo desses, e cheguei a conclusão de que viemos com o único propósitode fazer os outros felizes. Já percebeu como é fácil florescer um sorriso em alguém? Lendo o que você escreve, eu sorrio. Mas então, sejamos assim, façamos as pessoas felizes, porque se elas compartilharem da mesma causa, chegará o tempo em que pessoas se prestarão a nos fazer sorrir. E largaremos da tristeza solitária para uma gargalhada coletiva. Estaos tão ocupados contando as células do nosso ombigo que talvez morrer, signifique prder a contagem. A morte é bem somples, nossa ideologia sobre vida é que complica. E então, no dia do nosso enterro não haverá pesar. haverá leveza, porque as pessoas hão de se lembrar do tempo em que sorriram conosco. Morrer não é muito dierente de amar.

Como você ensinou, abraço-a com carinho, mesmo sem saber de onde sai essa vontade.

Mi ma disse...

Affff..


Que saudade grande de voar alto com essa Pipa levada!!!


Beijo, beijo

::::FER:::: disse...

ai credu odeio cemiterio...

marjoriebier disse...

Morri de achar lindo!

Estava com saudade desse teu cantinho delicioso.

Beijo