10.23.2010

A arte de borboletar







Arte: © Agócs Írisz







 
"Tão duro dizer adeus,  o que significa que hoje

eu tive que dizer adeus

deixando você ir

com o mar."

 
 
 

 







Foi então que o vento começou a soprar. Compreendi que viver é isto. Uma canoa que a vida nos empresta e só vale o quanto temos disposição para remar. Tenho medo que a minha termine num gemido afogado, por ter batido em uma rocha atormentada por lembranças que ela decidiu petrificar. Mas preferi acreditar que o temporal passaria largo  e ao invés de se despedaçar eu a encontraria reluzente sobre as águas. Às vezes eu fico de pé dentro dela, gosto de olhar a travessia. Gosto de forçar o remo e sentir como é bonita a maneira como ela deixa tudo para trás. Olho para as margens e vejo o sol mergulhar no horizonte.  Vejo as flores, os bosques, os prados, os jardins, as florestas e seus bichos correndo para os montes. Quero um mundo com o qual eu possa me emocionar. Quero ter a soberania de uma borboleta almirante e cessar fogo no entrecortar de minhas asas. Quero uma paisagem pela qual valha a pena lutar. Chega de me estraçalhar em guerras para as quais eu nunca tive armas. A alma sabe quando o corpo tem que parar.





Pipa


20 comentários:

Carol Freitas disse...

De uma leveza incrível teu espaço!
Flutuei por aqui...

Beijo!

LUZIA disse...

Que lindo Pipa!

É bem assim que penso e sinto ultimamente.

Um lindo domingo pra ti ;)
Beijo

Carol Fonseca disse...

perfeito isso pipa!
"A alma sabe quando o corpo tem que parar". parabéns!

Noe* disse...

A alma é sábia. Nós sempre possuímos as armas, só é preciso procura-las e saber usa-las para o bem!!!

BJS =*

Winny Trindade disse...

Querida Pipa, não poderias dizer coisas mais belas e verdadeiras.
Sinto a arte de borboletar em mim também.
Que a sua alma voe leve.

Abraço meu.

Carol Castelano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carol Castelano disse...

penso quantas 'pipas' existem por aí em nossas vidas?? pra nos contar histórias, pra nos fazer chorar, rir, pensar, pra fazer a gente sentir coisas que não imaginavamos, eu acho que não existe alguem como tu pipa { insubstituível }

adoro seguir por aqui.
um abraço (:

Be Lins disse...

Quero só deixar um
sorriso.

[aquele de sempre, sabe?
de quem gosta de suas nuances]


:)

Thalita Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thalita Santos disse...

Lindo texto Pipa!
Realmente a alma sabe quando o corpo deve parar.Nunca insistir naquilo em que não se acredita mais.Encerrando ciclos, pois sempre é necessário.

Um grande beijo!
Estava com saudade de vir aqui me aclamar um pouco com suas palavras e doce escrita.
Lá no meu blog tem um seliho pra você, se quiser pegá-lo e postar em teu blog é só clicar no link abaixo:

http://thalitapaula.blogspot.com/p/selos.html

Priscila Rôde disse...

"Chega de me estraçalhar em guerras para as quais eu nunca tive armas. A alma sabe quando o corpo tem que parar."

Sábia, Pipa!

Um beijo no teu coração lindo!

Sara disse...

Tudo que eu falar será pequeno ou escessivo diante disto...por calo e ouço o bater leve das asas aflitas por viver...1 beijo soprado!!!

z i r i s disse...

Quero ter a soberania de uma borboleta almirante e cessar fogo no entrecortar de minhas asas.

Pronto, já é!

Simples assim...


Me encheu os olhos esse texto. Não gosto de ver mulher feito ocê, cabisbaixa, a mercê... (Essa frase não soa estranha rs)


Vê que desse modo ocê consegue ser ainda mais brilhante?

Acho bem que tirou aquela máquina de escrever encantada do sótão! Boa!

Te abraço, cumadi!

Sabiana M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sabiana M. disse...

Que o seu corpo, sua consciência, o vento, os gnomos, os duendes, as fadas, ou qualquer outra coisa pra qual você dê ouvidos, diga-lhe: aparte-se de tudo que te faz sofrer, vire os calcanhares e reme pra longe... tem um campo de risos floridos a tua espera, mas não chegarás até ele com todos estes machucados e coisas emboloradas que levas embaixo dos braços... desprenda-se... e reme e quando chegar a hora, você estará voando... alto e soberana, linda e feliz!

*Amanda* disse...

Eu vivo dizendo que o amor é como um barquinho, onde os dois remos têm que estar na mesma sintonia...
Infelizmente, o meu barquinho afundou... espero que sua sorte seja diferente, que você pule e consiga nadar até a margem...
É onte estou agora...
e a vista... Ah! é maravilhosa!


bjsss*

Roberta Mendes disse...

Conversando com a minha avó de 93 anos esse fim de semana, ela me confessou que o velho corpo já não dá conta da alma que tem. Parece que a mola quebrou-se, ela disse. Isto ilustra que os altos e baixos não são realmente o problema. A coisa pega mesmo é quando nos falta IMPULSO.

Frido disse...

lindo lindo lindo... vim borboletando por aí e acabei pousando aqui. Maravilhoso conto.

Lenir Albuquerque disse...

Lindos os textos que vc posta.

Lenir Albuquerque disse...

Lindos os textos que vc posta.