Header

Header

9.27.2010

Vai solidão, me solta








Arte: © Agócs Írisz







"Caminhe comigo poderosa liberdade.

Nós selaremos o nosso próprio

destino.


Enya.








Algum dia, alguém quis me convencer de que não dava para ver céu da minha janela. Que as estrelas haviam morrido e que a lua havia caído das alturas e se estilhaçado no terreiro - tal qual um espelho que escorrega pelas mãos num ato de impaciência.  Disseram que, o mundo havia perdido o seu brilho e se refugiado na sombra da noite e, que todas aquelas luzes que eu tinha visto não passavam de miragens. Disseram ainda, que uma abissal garganta invisível se abriu, e, sem que ninguém visse, engoliu o universo inteiro.  Pelo que contaram, aquele Monstro da Solidão tinha forma de um camaleão com uma enorme língua azul e que depois que raptava suas vítimas, andava por aí trocando as cores para confundir os que o perseguiam.   Procurei o contorno dos astros - Dom Saturno me olhou com tristeza e balançou a cabeça em silêncio. Dei uns passos em direção a janela e desci  os olhos até o breu. Só consegui ver um pássaro acinzentado que se arrastava em minha direção, mas antes que pudesse dizer qualquer coisa, ele caiu fulminado aos meus pés.  Eu o devolvi para o ninho de névoa e roguei ao Deus dos pássaros que o recebesse e o ajudasse descansar em paz. Tem noites, que meu espírito deixa o meu corpo e calça sapatos de algodão para ver se meus passos ficam mais leves. Houve um tempo, em que eu via pássaros lavrados no céu, que batiam asas ao vento com toda envergadura poética. Mas não vi muitos mais desde que meus olhos foram arrancados da face e substituídos por esses de vidro. Eu não tinha esse olhar cortante de animal extinto e caduco. Nem esta alma aprisionada num cadáver ambulante que vagueia pelas ruas atravessando as calçadas como se estivesse vivo.   Às vezes a gente não se dá conta de que a única maneira de vencer a solidão é aceitá-la. A solidão tirou seu  agasalho preto e sem braços e me ofereceu para usá-lo. Aqui dentro está frio. Então vesti seu casaco.  E ao olhar no espelho, bastou-me um segundo para ver que nem tudo estava perdido: ele ficou uns setenta centímetros mais largo.

Um beijo




Pipa.

27 comentários:

::::FER:::: disse...

Eu não paro de pensar meu cérebro viaja numa velocidade inenarravel >> Tenho muitos sonhos enquanto durmo, e sempre estou em mundos estranhos muitas vezes em mundos coloridos, mas ler a imaginação de outra pessoa sem cortes sem interrupções do começo ao fim , faz-me entender que a mente é uma incógnita, e faz-me querer conhecer os mundos alheios da mente alheia assim como esse seu mundo fascinante...

Rodolpho Padovani disse...

A solidão é sempre uma companheira indesejada que chega sem avisar e quer fazer morada dentro da gente, mas cabe a cada um permitir ou não.
Sabe esse casaca largo? Eu prefiro passar frio...

Bjs =)

Leo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leo disse...

Tome aqui, pigmento azul
que é pra misturar e transformar a solidão em céu pq não devemos deixar de sonhar o azul do vôo, um dia vamos voar nele!

Beijos, meu bem!

Leo disse...

lembrei de um trecho de um poema,
ai decidi vir te trazer:


por minha parte te ofereço
minha última confiança
estás sozinha
estou sozinho
porém às vezes
pode a solidão
ser
uma chama

Benedetti

Winny Trindade disse...

De vez em quando a vida nos dá presentes estranhos. A solidão é um deles, mas um dia isso também passa. A solidão não gosta de fixar por muito tempo em um lugar.
Espero que ela não fique por muito mais tempo ao seu lado.


Abraço meu.

Anônimo disse...

Solidão e Saudade /
dois lados de uma mesma moeda.
Né-não!?
Vou parar tudo pra fazer esta análise /
Eu vou! eu vou!
pra casa agora eu vou...
Assina, Esquenta-tata-dinho.

Dália disse...

"Tem noites, que meu espírito deixa o meu corpo e calça sapatos de algodão para ver se meus passos ficam mais leves."

Que inspiração mais linda! Parabéns, adoro seus textos...

Ju Fuzetto disse...

Ah Linda PIPA!!

"Tem noites, que meu espírito deixa o meu corpo e calça sapatos de algodão para ver se meus passos ficam mais leves. Houve um tempo, em que eu via pássaros lavrados no céu, que batiam asas ao vento com toda envergadura poética."

Tão bonito.
Meu espirito tem a incrivel mania de saltar de edificios, achando que é super-herói, vê se pode.?


Um beijo doce

Gislãne disse...

"Às vezes a gente não se dá conta de que a única maneira de vencer a solidão é aceitá-la."

e muitas vezes ela é a melhor companhia e em outras tantas situações a pior. Vai entender.?

Alvaro Vianna disse...

Estou começando a me ver elegante dentro do meu próprio casaco rs.

Não entendi bem o porquê desse texto.

Beijo

Lu Nascimento disse...

Olá!

Só quero dizer que, gostei do nome do blog, e do que nele encontrei =)


;*

z i r i s disse...

Vou me desdizer. Solidão é o mal do século. Vou repetir, a indiferença é responsável por isto. Se isto tudo misturado der em alguma coisa, saio meio alegre, metade triste.

Então eu digo Pipa, ando a sacudir o olhar, que cochila e sonha e só. E quando abre, é de canto, já desacreditado. Estaríamos nós de olhares distraídos? Sacode aí seus óinhos tão bonitinhos, acorde os bichinho. Talvez possamos caminhar juntas. Há sempre garças riscando tardes. Há sempre as tardes de chuva. Há que ainda haver meninos-pássaros e gente morninha por aí em algum canto do mundo.

Te beijo querendo de sarar!

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Um pássaro postal serve?


Porque um desse jamais ia perder um bilhete de amor pelo caminho.


Te achonchego em minhas asas...

Amanhã voaremos e contemplaremos o céu azul do LEO.


Não vamos ter pressa.
Vamos bater as asas bem devagarinho...


Que quando menos esperarem, a solidão não vai nos alcançar mais.



Um beijo sarado.

Rafaelle Melo. disse...

Confesso que estava ansiosa pra ver sua próxima postagem...

Sabe, Pipa, meu casaco tbm não anda me servindo.

Decidi deixá-lo de lado, pois me pesava demais! Resolvi voar pelo azul infinito.

Só não sei onde vou pousar pra me abrigar, continua frio...


Te abraço pra aquecer!

Denise disse...

Com frio

prefiro os ossos doendo de frio...Será?

carinhos

LUZIA disse...

''Às vezes a gente não se dá conta de que a única maneira de vencer a solidão é aceitá-la.''

Lindo texto Pipa. E essa frase é muito verdadeira.

Bjoo

Serena-Cris disse...

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

[Drummond, o mestre]

.

Serena-Cris disse...

.

vamos de mãos dadas?


*

dansesurlamerde disse...

tem dias que a solidão me acompanha por horas a fio. é o que se tem.

beijo.

Keli Wolinger disse...

Pipa.

Solidão é um retiro da alma. Um estado de profundo autoconhecimento, em que os sonhos são escrito com cacos de sentimentos espalhados pelo vento das emoções.
Quando se peneira a água dos pensamentos, para separar as dores que escorrem pelos dedos deixando apenas as marcas das palavras que feriram.
Um dia essa dor passa, a ferida cura e será como se nunca estivesse existido. Com uma diferença, as cicatrizes te farão lembrar que é mais forte do que pode pensar.

Abraços, Keli

Pérola Anjos disse...

A solidão e seu agasalho preto assustam, ainda mais quando alguém que partiu continua de mala e cuia dentro de nós. Mas se o casaco ficou folgado é porque ele não combina com você, não combina conosco e logo a esperança reviverá e chegará vestida no seu lindo casaco verde e nos cobrirá inteiras! Excesso de otimismo? Não, não. Apenas um grande desejo. E que assim seja!

E que seus olhos de vidro fiquem bonitos feito gotas de orvalho!

Beijo doce!

Pollycléssio Mota Sá disse...

I
Sonhar à beira do oceano
Com a lua que toca o céu
Com a lua que toca o mar
"Mas como chegar até às nuvens com os pés no chão."
É possível sim ver a lua da janela
É só fechar os olhos
II
Se posso ver a lua da janela, porque não fico mais leve
já que os meus pensamentos o são...?
III
A solidão não é uma má companhia
Ela nos dá a verdade do silêncio
De nós mesmos

Polícleto diz: Sonhe...
Só assim você vai poder dizer que valeu à pena...
bjão

Crônicas do Cotidiano disse...

Olá amiga Pipa,

"Disseram ainda, que uma abissal garganta invisível se abriu, e, sem que ninguém visse, engoliu o universo inteiro."

E agora o que será de nós? Pois se as estrelas se esconderam nas profundezas da dúvida, como nasceram os sonhos de vida feliz e mundo colorido?

Amiga Pipa, tens de tirar esse casaco de ti, pois como poderás voar e desvendar aquilo que só tú podes fazer?

Bjkss e saudades de você amiga

Leni disse...

SImplesmente incrível seu post. viajei demaiis!
beijos

Poliana Fonteles disse...

Te seguindo Pipa querida...

Aqui eu viajo no ar...

Abraços...

:D

Márcio Vandré disse...

Mas quem disse? Os olhos de vidro podem reproduzir um arco-íris sempiterno. Lá no fim certamente terá um pote de ouro.
Um beijo, Pipa da fantasia!