2.06.2010

Desamores



"Para de rir senão eu te jogo esse copo na cara!"

In.: A Dama da Noite.

aquele, o Caio.


O plano era levar a vida com um zelo evangélico. Mas não deu certo. Ela era agora uma delinqüente ocasional. Que não sabia resistir à tentação de dançar tango como um cego. Ensaiando desgarres acidentais, ao sabor da ocasião. (Possessa) - "essa palavra em sua acepção vulgar, supõe a existência de demônios de uma categoria de seres maus por natureza, cujo grau de dependência de outro espírito deixa a vontade de qualquer um paralisado". Anotei ontem num guardanapo, na aula de filosofia jurídica.  Guardo ou rasgo o guardanapo? Guardo. Ainda posso precisar dele para limpar outras sujeiras. Aquele Doce Novembro me vem a memória: "Será que a mãe dele sabe que trata as mulheres como prostitutas? Ou ele foi ensinado que ser gentil significa tratar os outros como lixo?" Mas que prazer é este de afastar as pessoas com as mãos? Eu não quero alcançar o poder tão cedo. Não vou correr o risco de me sentir maior que o mundo. É que meus olhos amanheceram mais agressivos que de costume. Ele não devia ter me acordado. Ele não merece nenhuma conta. E não precisa me levar não, eu vou embora a pé. Tem que haver um jeito de penhorar esses incontáveis maus dias. Tem que haver alguma coisa que estanque essa degeneração emocional. Que tire essa loucura de mim. Ao contrário, vou para o inferno. Eu não preciso de um médico. Preciso de um exorcista.





Diários de um garoto problema.
 
P.S.: (Tem um arranhão enorme e ardido no lado esquerdo do "meu peito". E eu sei quem fez.)


Te esqueço. Me esqueces.

Lídia Martins

19 comentários:

D disse...

Desamores - eu sempre brindo à eles...

D disse...

pela loucura é nota 10
Oo

Agnaldo disse...

Desamores!!!
Líh, quantos detalhes que o torna tão especial!
Muito bom de acompanhar, faz pensar, meditar, faz rir, faz chorar e tem um toque especial no íntimo da gente.
Com poucas palavras você enche, inunda uma alma. Acredito ser dos seus melhores escritos, tenho um carinho
todo especial por eles. Olha, quanta originalidade, minha querida!!!!!
Minha frase: Mas que prazer é este de afastar as pessoas com as mãos? Eu não quero alcançar o poder tão cedo.
Não vou correr o risco de me sentir maior que o mundo.” Muitos beijos carinhosos minha linda.
Repito mais uma vez, amei, amei muito..... Mais beijos....

Serena-Cris disse...

E eu me visto com esse texto!

um beijo estalado*

.

Anônimo disse...

Enrrraaaaaaaaa!!!

Delinquente ocasional?????????
Olha, dou nota 11 pela loucura e concordo com o comentário de que este foi um dos melhores textos que já li aqui!

Agora se quiser um exorcista, conheço um que tira qualquer tipo de encosto .(rs)


Lindo, Lindo, mulher!

Um beijo no core. Espero que esteja melhor!

Vitaum

Be Lins disse...

Não sei oque dizer,
fico tonta quando leio seus textos, eles são tão repletos de tantas coisas que não sei se os alcanço. É como ler Clarice Lispector, a gente gosta porque é maior que a gente, e pronto.

Assim que eu a vejo em palavras,
como à Clarice.

Beijo, Pipa.

renata carneiro disse...

cicatrizes são maquiagens do tempo, à prova de para sempres. a gente leva com a gente. e o que acontecesse é que uma hora a gente aprende a fazer a maquiagem de outros jeitos, com outros tons.

visceral, pipa, em mim é o que srte o seu efeito.

cuida bem desse coração!
beijos!

Vanessa Souza Moraes disse...

Escrever também é um ato de exorcismo.

Anônimo disse...

Eu tmb preciso mais q urgente d um exorcista...por favor me endique um... nao quero ir p/o inferno,porq esse encosto que trata mulheres como LIXO se esqueçe que o lixo na verdade é ELE.

Bjs Ti cuida eu me cuido!

Ana Flávia disse...

'Ele não merece nenhuma conta. E não precisa me levar não, eu vou embora a pé'

assim seja!

viva mesmo com quem merece viver e ser digno ao seu lado.

beijos fortes a você.

Anônimo disse...

"Ensaiando desgarres acidentais, ao sabor da ocasião..." E assim tem sido meus dias... dançando tango com um cego! Não sei se o que preciso é de um exorcista, acho mesmo, é que to precisando de rumo, prumo, destino... Todos os dias parecem iguais, por mais que peço com todo o coração que minha fé seja aumentada. E entre amores e desamores, sigo... porque o tempo atropela e não para pra nada, nem ninguém!

Mary* disse...

Tão forte. Tão intenso.
E eu adorei!

Se cuida, pipa querida!

Ziris disse...

Pipa menina, tens em mim uma companheira de cortes... profundos, não que seja bom ter companhia assim, mas... Época de flechas soltas, desgovernadas, de estômago que ronca olhando para os seus olhos, de furto sorrateiro ao interior da concha, arrombamentos.
Tempo que devorarou até as minhas palavras com fome primitiva...

Mas eu sinto Pipa, algo tirilintando dentro de mim e sei que é a cura de tudo isso mas qdo presto a atenção nessa coisa, ela fica bem quietinha, ainda não quer ser capturada...

Talvez eu escreva sobre isso... ou vc, não sei!

Decifro. Decifras

Abraço-te sempre!






Ziris - a que não se sustenta na planta dos pés...

Ziris disse...

Perdóname!

Sobre o post: providencial, e suas palavras ainda mais decisivas.

garotabossanova disse...

Tão lindo o que escreves. E tão verdadeiramente doído. :/

Renato Hemesath disse...

é em movimentos assim, aparentemente nonsense que nos encontramos com aquilo que acreditamos ser quando somos. :)

Obrigado pela visita ao "cine".

Abraços

Pedro Antônio disse...

Claro que empresto.

E pra você que é pipa vai ser fácil pintar o céu inteiro, sem deixar uma beiradinha sequer esquecida!

:)

Um beijãooo.

Pedro Antônio

Anônimo disse...

Alma cheia de cortes...Fico pensando se é por alguém que realmente vale a pena. E pra tirar uma coisa tão violenta assim, acho que não. Que ele não vale a pena.


Eu queria poder fazer algo, mas você como sempre nunca deixa. Espero que se cure de vez.

Um abraço apertado nessa sua alma alada.

Diego

Anônimo disse...

O coração que cansa e não se cansa de amar... as lutas que nos envolvem... nossas desesperanças, desapontamentos... Ainda assim, o sol nascerá, renovará nossas forças... trará nova luz... não somos tristeza... nem somos felizes... apenas estamos tristes... estamos felizes... e esse pequeno objeto voador universal vai girando... voe... canse... mas não se canse de amar...

Pollycléssio, filopata.