12.07.2009

Liberdade

Uma coisa é certa. A gente tem que ter esperança. Senão a gente seca por dentro. Hoje eu fui buscar a minha irmã na escola dos sonhos. E ela me agarrou forte nas mãos. É que ela pré-sentia as coisas. Teve uma aula de sonhos perturbadora. E no caminho de volta, me contou que caminhava por uma ponte suspensa no nada. Que sentia a vertigem que isso causava. Que as pernas tremiam, o coração palpitava, como se não tivesse volta. Disse que a ponte era mão única, e que tinha vontade de chorar. Porque tudo ameaçava. Disse ainda que ela já se conhecia o suficiente pra saber que com a alma que ela tinha, nunca se sentiria feliz em terrenos rasos. Que o abismo que vira lhe trazia medo e ao mesmo tempo sensações incríveis. Sentia frio na barriga. Arrepios por todo corpo. E um perfume inebriante que a conduzia pela palma de sua mão. Era ele. O que tem fome de olhar. Ela corria como louca na direção dele. Queria lhe tomar das mãos o seu mapa secreto. Porque ele tem um tesouro escondido marcado com uma cruz. Pode até ser que ele não contagie tanto. Mas era com quem ela queria passar o resto de sua vida. Só que, o que ele não entendia, era que por mais amor que ela tivesse por ele, ela não corria atrás dele pra resgatar isso ou aquilo. Ela corria pelo simples prazer de andar, pelo prazer de viver.
Pipa. A intensa.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que pancada esse! Puta que pariu.
hehehehehe

Cada um que leio. Fico mais extasiado! Vc é puro êxtase trem bunitooo!

Tiago

bjim

Anônimo disse...

Amei lindona!
Descreve completamente quem você é.

Intensaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Bjo

Vitaum

Anônimo disse...

Medo e adrenalina... adoro o perigo! Hoje aprendi que toda escolha que faço, assumu o risco da consequência! Quero a aventura, o risco...prefiro, do que a mesmisse.... Quero mergulhar nesse abismo inebriado de magia, de esperança, de encanto....Tudo muda o tempo todo e eu sou pioneira nisso!